27 de novembro de 2008

Potes de boa sorte

Sempre gostei de doces, cresci comendo os doces mais doces, os doces mais divinos, tudo por conta do hobbie da minha mãe. Acostumei meu paladar a douçura. Porém, gosto de dois doces em especial, que por sinal minha mãe não gosta e por isso nunca faz: ambrosia e arroz doce.
Eis que num dia só, fora de casa, em lugares distintos, de forma supreendente sou presenteada pelo acaso. Na manhã uma caneca de arroz doce. Na tarde ambrosia! Ahh, que delícia. Comi até me fartar.
O dia foi realmente valioso, só pode ser sinal de muita boa sorte, de prosperidade. Também, além disso saí de casa feliz e voltei madrinha. Ainda mais feliz.

Um comentário:

cátia disse...

fico feliz por ter compartilhado (literalmente) um pouco destes teus potes de boa sorte!
como a simplicidade do nosso dia-a-dia é linda...
beijos